domingo, 31 de julho de 2011

Destino: Machu Picchu

Casal parte de São Vicente rumo à Machu Picchu de moto

O casal Guga e Elda partiram da Vila de São Vicente às 11h30 deste Domingo, 31 de Julho de 2011 de moto com destino à Machu Picchu, no Peru , percorrendo o Caminho de Peabiru, que liga São Vicente às ruínas, passando pelo Paraná, Paraguai e Bolívia, até chegar em Cusco, no Peru, com previsão de 53 dias de viagem e quase 14.000 Km, entre a ida e a volta, passando também pelo Chile e Argentina.

Eles já fizeram vários outros roteiros, que somados, são mais de 18.000 Km de estradas, sempre de moto.

Para celebrar a partida, ofereceram um café da manhã Solidário, onde os amigos que foram acompanhá-los no início da viagem ofereceram agasalhos e alimentos não perecíveis para doação às Instituições de Caridade de São Vicente.

Toda a viagem será registrada diariamente no site “ www.diariodemotocicleta.com.br “, que eles mantém desde 2007, dando dicas das estradas, hotéis, restaurantes e passeios ao longo do percurso.

A Festa de Boa Vindas será no dia 24 de Setembro de 2011, a partir das 15 horas no "Balanço do Coqueiro Bar", em Peruibe, onde o casal apresentará as fotos e vídeos, bem como as histórias de sua aventura pela América Latina.

Caminho de Peabiru - A História

Muitos eram os caminhos utilizados pelos povos sul-americanos antes de o Brasil ser colonizado pelos europeus. Um dos mais conhecidos e discutidos pelos historiadores é o Caminho de Peabiru, que ligava a então Capitania de São Vicente (litoral de São Paulo) à cidade de Cusco, no Peru. A trilha estendia-se por aproximadamente três mil quilômetros e também cortava Paraná, Bolívia e Paraguai.

Peabiru é uma palavra da língua tupi-guarani, “pe” significa caminho e “abiru”, gramado amassado. E a rota ilustrava perfeitamente a descrição do nome, pois foi aberta no meio da mata virgem e, segundo alguns historiadores, tinha um metro e quarenta de largura. O tronco principal do caminho de Peabiru cruzava o Estado do Paraná de Leste a Oeste, penetrava no chaco paraguaio, atravessava a Bolívia, a Cordilheira dos Andes e terminava no sul do Peru, onde pegava parte da costa do Pacífico

Importância histórica do Caminho de Peabirú

A grande importância histórica do caminho de Peabiru foi, primeiramente, guiar as migrações indígenas, mas também serviu para facilitar a circulação de mercadorias, o comércio e as missões religiosas. A trilha foi, também, o principal acesso à região Sul do Brasil. Apesar de existirem diversas teorias sobre seus fundadores, a mais aceita é de que foram os Incas que construíram Peabiru.

Pela trilha, passaram diversos personagens históricos importantes. Foi lá que o português Aleixo Garcia iniciou os primeiros contatos com os povos Incas e descobriu o Sul do Brasil. Depois de Aleixo Garcia, Peabiru ficou bastante conhecida e outros relatos dão conta de que Martim Afonso de Sousa, fundador da Vila de São Vicente, só se fixou no litoral porque, de antemão, dispunha de informações de que, dali se teria acesso ao caminho que o levaria às minas do Potosí, na Bolívia, e aos tesouros dos incas. Por sua determinação, uma expedição partiu de Cananeia (litoral Capitania de São Vicente), em 1531, com o mesmo destino, sob o comando de Pero Lobo, tendo Francisco das Chaves como guia. Seguindo por um antigo caminho indígena que entroncava com o Caminho do Peabiru, esta expedição desapareceu, chacinada pelos indígenas Guaranis, nas proximidades de Foz do Iguaçu, quando da travessia do Rio Paraná.

Outros desbravadores da trilha foram o historiador Alvar Nuñes Cabeza de Vaca, em 1541, o alemão Ulrich Schmidel em 1553 e os jesuítas Pedro Lozano e Ruiz de Montoya em suas missões de catequese.

Quase um século depois destas expedições,Raposo Tavares e outros bandeirantes de São Paulo realizariam, via Peabirú, os devastadores ataques às missões do Guairá, no atual estado paranaense. O historiador português Jaime Cortesão, explica que foi pelo caminho de Peabiru que os exploradores europeus conseguiram subir aos Andes.

Atualmente, restam apenas alguns vestígios do que foi o grande trajeto que ligava o Brasil ao Peru. Uma curiosidade é que, os Guaranis plantavam uma gramínea chamada puxa-tripa pela trilha, isso evitava que a mata encobrisse o caminho. E não é só isso, em seus trechos mais complicados, a rota chegou a ser encoberta com pedras. Em outras partes havia sinalização demarcada por inscrições rupestres, símbolos e mapas de origem indígena.

Muitas cidades foram fundadas nas cercanias da trilha, como a própria Peabiru, que existe até hoje no norte do Paraná. Surgido em 1903, o município foi criado pelos inúmeros colonizadores que, acompanhados de suas famílias, construíram casas e se dedicaram à agricultura, o que levou mais pessoas aos arredores do Caminho de Peabiru, formando assim, vilas e povoados adjacentes.

Confira abaixo mais fotos.

Fontes:
http://www.caminhodepeabiru.com.br
http://pt.wikipedia.org/wiki/Peabiru
http://www.parana-online.com.br
http://educacao.uol.com.br/historia-brasil/
http://organismo.art.br/blog/?p=1087